A iniciativa visa promover troca de experiência entre profissionais e jovens músicos

A Orquestra Sinfônica Jovem de Goiás (OSJG), um projeto do ITEGO em Artes Basileu França, Instituto vinculado à Secretaria de Desenvolvimento e Inovação (SEDI), promove mais quatro lives do projeto “Lives Musicais” nos dias 25, 26, 28 e 29 de maio, às 19h. As apresentações serão transmitidas pelo Instagram da Orquestra (@orquestrasinfonicajovemdegoias).

                De acordo com o maestro titular da Orquestra, Eliel Ferreira, o objetivo é proporcionar um diálogo com considerações importantes sobre carreira, estudo e oportunidades para jovens músicos. A primeira apresentação desta semana, realizada ontem (25), foi do trompista Lucca Zambonini. Nesta terça-feira (26), a atração será por conta do violinista e violista André Meneghello. Na quinta-feira (28), será a vez do oboísta Moisés Pena. E, por fim, na sexta-feira (29), o projeto terá a participação do violista Alexandre Razera.

Sobre os músicos

André Meneghello 

Iniciou os estudos de violino na Escola de Música da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (OSPA). É bacharel em violino pela UNIRIO, na classe do professor Paulo Bosiso. Também foi aluno do professor Fredi Gerling e Ljerko Spiller, na Argentina. É coach de carreira e palestrante com formações em Psicologia Positiva e Marketing, além de ser criador do programa Aceleração Carreira Musical. Participou de várias orquestras e grupos de Música de Câmara, entre eles: Orquestra de Câmara Theatro São Pedro (Porto Alegre), Orquestra Studio Spiller (Buenos Aires), Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, Orquestra Brasil Consort (RJ), Orquestra Sinfônica Brasileira (RJ), Camerata Contemporânea (RJ), Quarteto D’Arcos (Campinas-SP). Retornou a Porto Alegre, em 1997, ingressando na Orquestra de Câmera Theatro São Pedro e também da Orquestra Sinfônica de Caxias do Sul. Atualmente é primeiro viola da Orquestra Unisinos e Spalla da Orquestra Sinfônica da Universidade de Caxias do Sul (UCS). É também professor de violino e viola na Escola da Orquestra da UCS, no Projari, em Guaíba, e no Projeto Vida com Arte da Unisinos.

 

 

Moisés Pena

Natural de Belém (PA), começou estudar oboé em 1998, com José Medeiros, no Conservatório Carlos Gomes. Foi membro da Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz, da Orquestra Amazonas Filarmônica, da Orquestra Sinfônica Nacional da Universidade Federal Fluminense e da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais. Apresentou-se com a Orquestra Filarmônica de Goiás, Orquestra Sinfônica da Bahia, Orquestra Sinfônica Brasileira, Orquestra de Câmara Sesiminas e OSESP. Conquistou 1º lugar no Concurso Jovens Solistas Eleazar de Carvalho, em 2003, e foi vencedor do Projeto Orquestra para Todos da OSB no Rio de Janeiro em 2004. Com intensa atuação nas áreas de ópera, música de câmara e orquestral, foi professor no Festival Conexões Musicais UFF/UNIRIO (2017/2018), Festival Eleazar de Carvalho em Fortaleza e Itu (2007/2013), Festival Internacional de Música de Campina Grande (2012), Festival de Música de Ourinhos (2013), Festival Internacional de Música do Pará (2015/2018) e Encontro de Cordas do ICED em Teixeira de Freitas, BA (2019). É mestre em música pela Aaron Copland School of Music de Nova Iorque, onde estudou com Humbert Lucarelli. Participou de masterclasses com Jorge Postel, Washington Barella, Ernest Rombout, Robert Botti, Ray Still e Sherry Sylar. Atualmente, integra a Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro, em Brasília.

 

 

Alexandre Razera

Iniciou seus estudos musicais aos oito anos de idade, na Escola de Música de Piracicaba (SP). Graduou-se pela Universidade de São Paulo (USP), sob a orientação de Marcelo Jaffé. Foi bolsista da Fundação Vitae para a Academia da Orquestra Filarmônica de Berlim (Alemanha), onde foi orientado por Wilfried Strehle, estudando, posteriormente, na Universidade de Artes de Berlim. No Brasil atuou como violista da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP), na Orquestra Experimental de Repertório e como viola solo da Orquestra Sinfônica da Universidade de São Paulo (OSUSP). Também foi solista das Orquestras Sinfônicas Paulista, Santo André, Minas Gerais e Camerata Fukuda, entre outras. Ministrou aulas nos festivais de Campos do Jordão (SP), Juiz de Fora (MG) e Oficina de Música de Curitiba (PR). É primeiro violista da Orquestra da Rádio e Televisão Eslovênia de Ljubljana e músico convidado da Mahler Chamber Orchestra, desde 2008. Participou de gravações com a Filarmônica de Berlim, sob a regência de Cláudio Abbado, Simon Rattle, Daniel Barenboim, Lorin Maazel, Kurt Masur, Nikolaus Harnoncourt, Trevor Pinnock, Gunter Wand. Realizou concertos, gravações e turnês junto com várias orquestras europeias, como Filarmônica de Berlim, Orquestra da Rádio de Berlim, Orquestra de Câmera de Berlim, Orquestra da Ópera de Berlim, Mahler Chamber Orchestra e Orquestra da Rádio de Ljubljana.

 

 

Lucca Zambonini

Desde 2010, ocupa a posição de Primeira Trompa Associado da Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas, sendo idealizador da plataforma Inteligência Musical, que promove educação musical de excelência para centenas de crianças e jovens. Como solista, atuou em diversas cidades do Brasil e do exterior, além de possuir o título de Doutor em Música pela UNICAMP. Dentre as orquestras que atuou, inclui-se a Baden-Baden Philharmonic/DE, Badisches Staatstheater Karlsruhe/DE, Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, Orquestra Sinfônica Brasileira, Filarmônica de Minas Gerais, Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal de São Paulo, Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo, Jeunesses Musicales World Orchestra, The World Orchestra, entre outras. Filho do trompista e professor Adalto Soares, com quem desenvolve um trabalho pioneiro, frente ao grupo Horn Brasil, executando músicas populares brasileiras na trompa, Lucca Zambonini recebeu seu mestrado em Trompa/Artes pela Hochschule für Musik Karlsruhe, na classe do professor Will Sanders. Também participou de vários concursos e festivais internacionais, com destaque para o Festival de Ópera de Bayreuth – “Festival Junge Künstler Bayreuth/DE”, Idyllwild Music Festival/California/USA e Internationale Händel Festspiele Karlsruhe/DE. Lucca Zambonini faz parte da diretoria da Associação de Trompistas do Brasil e leciona em vários festivais de música em diversos países. Também foi professor universitário entre os anos de 2015 e 2019 nas instituições FMU-FIAM/FAAM e Faculdade Cantareira.